Ano passado fiz um texto aqui falando sobre uma seletiva de canto que eu participei na minha escola e passei.
E esse ano, fui para a dança. E teve texto aqui? Sim!
Mas, para que era essa seletiva?
Eu estudo em uma ETEC, e há alguns anos acontece um campeonato entre as ETECs em diversas modalidades, inclusive canto e dança.
Como eu falei nesse texto, fiz a seletiva e passei (eeeee).
Formamos um grupo com mais de dez pessoas. Claro que por serem todas de salas diferentes e terem horários diferentes, isso atrapalhou um pouco nossos ensaios, mas não foi nada demais.
Algumas pessoas foram ficando pelo caminho, já que não iam aos ensaios. E eu fico impressionada em como dois meninos do grupo que já saíram da escola e estão na faculdade apareciam mais nos ensaios do que algumas pessoas da escola. E tudo isso por amor à dança.
Nossa ideia inicial era fantástica: o tema hospício iria conduzir tudo.
Escolhemos músicas, fizemos remix, criamos a coreografia e ensaiamos incansavelmente.
Todo esse processo foi demais. Fiz novos amigos, aprendi muita coisa, nas horas de ensaio era só alegria, porque era um tempo que esquecíamos de todas as preocupações e apenas dançávamos. Foi incrível.
Passamos? Não. Por meio ponto, acredita? Mas tudo bem…demos o nosso máximo e se os jurados não acharam o suficiente, que pena!
Tudo valeu a pena, pelas horas de alegria e diversão que tivemos durante os ensaios. Não estávamos dançando para competir, estávamos dançando por amor a dança <3
Tem uma música do Rashid que diz assim: “E quem pensa demais na chegada perde toda a beleza do caminho!”
Posso dizer que talvez a chegada não foi como esperávamos, mas apreciamos todos os detalhes da beleza do caminho.
Se você quiser assistir a nossa dança fantástica, o vídeo está aí!