Esse texto é um desabafo de um ano atrás

Tudo é tão estranho. Pra todo mundo. Não pode sair, não pode ver ninguém, não pode abraçar, não pode beijar, não pode isso, não pode aquilo. A internet, que deveria ser uma aliada de quem tem acesso a ela, pode virar uma grande fonte de raiva e pontos de interrogações, exclamações...fonte de revolta. 

Num momento como esse, eu acredito que a internet devia aproximar, sabe? Vamos usar os aplicativos para fazer videochamadas e ver o rosto de quem a gente tá com saudade. Vamos aproveitar os cursos gratuitos online para aprender mais. Vamos tentar criar novos conteúdos e ajudar o próximo nas redes sociais. Dá pra fazer tanta coisa boa, e tem muita gente que faz. Pelo menos eu faço. 

Mas a internet é só um meio. Um meio de conectar pessoas. Umas escrevem, outras lêem. Umas gravam vídeos, outras assistem. Umas colocam sua opinião, outras debatem. Podemos dizer que a internet é formada por pessoas, por gente. E onde tem gente, tem problema. Não venha me dizer que não, o ser humano adora ver o circo pegar fogo. Adora longas discussões onde ele sempre está coberto de razão e o outro lado é completamente errado. Adora o anonimato que o mundo virtual permite para poder atacar alguém. Não adora?

Por muitas vezes me peguei pensando em sair de tudo. Todas as redes. "Não vou mais criar conteúdo", "não vou mais acessar o Twitter", "meu Facebook só tem gente que compartilha fake news e não aceita ter uma discussão saudável, vou excluir", "pra quê colocar vídeos no YouTube se mal tem visualizações? Quem assiste são pessoas que me conhecem, pra dar uma força", "Instagram é legal, mas cansa". Todas essas frases já passaram pela minha cabeça. E você pode estar pensando que no meio de todo esse caos que o mundo está, pensar em redes sociais deveria ser a menor das minhas preocupações. Você está certo. Deveria e é a menor delas. Mas para pra pensar. Quanto tempo por dia você passa navegando na internet? Talvez você responda que praticamente o dia todo (comigo é assim). E por que você passa tanto tempo nesse "mundo"? Quantos meios que utilizam/precisam de internet você não usa para fazer coisas importante ou trabalhar (comigo é assim)? E nesse tempo que você navega: quantas coisas ruins não acaba vendo, mesmo que sem querer, e acaba sendo afetado, mesmo que de forma mínima?

Os quatro primeiros parágrafos que você leu foram escritos no dia 16 de Agosto de 2020, mas eu não publiquei. Eu só queria um espaço pra poder escrever um desabafo, sabe? E hoje, 5 de Julho de 2021, voltei a ler esse texto (e não mudei nenhuma vírgula dele). Algumas coisas não mudaram. Ainda não podemos sair, ainda existe muita cobrança nas redes sociais, ainda tem muita fake news e eu ainda passo muita raiva lendo notícias. 

Mas agora, eu não me cobro tanto em relação as redes (criar conteúdo pra internet não é fácil), não gasto minha energia e tempo com notícias que tiram minha paz, não entro em discussões se eu não achar que vale muito a pena, e estou feliz com quem acompanha meu trabalho e apoia (mesmo que a maioria sejam pessoas da minha família/amigos que estão ali só pra dar uma força). 



Quase um ano depois daquele desabafo, eu mudei meus pensamentos e atitudes sobre muitas coisas (amém!), porque eu, e você, estamos em constante evolução. Eu faço muito mais coisas por mim agora, que vão muito além de passar horas estudando (o que eu fazia antes), eu tenho tentado conhecer mais o meu corpo a cada dia, a me aceitar e a me amar mais. Tem sido bom.

O mundo continua um caos, e eu não quero nem morta ser uma Rafa Kalimann que fala que devemos ver o lado bom da pandemia. Mas, eu achei que seria bacana compartilhar como eu tô fazendo pra sobreviver por aqui. Me exercitando, dançando (que é algo que eu amo fazer mesmo sendo meu trabalho), meditando, estudando, lendo livros, assistindo a realities que podem ser considerados super fúteis, lendo fofocas da vida de famosos, mantendo contato com a minha família sempre, fazendo ligações e jogando online com meus amigos, me permitindo descansar, fazendo aulas de canto, tomando banho de chá de boldo toda sexta-feira, lendo conselhos de tarô que aparecem na minha timeline do Twitter e claro, sempre tem um surto aqui e outro ali, mas faz parte, né?

Como você tá sobrevivendo por aí?


12 comentários

  1. Acabei de passar em uma postagem de uma blogueira e vou reproduzir o que eu comentei ali. Todos nós passamos por mudanças, boas ou ruins, foram mudanças. E o que devemos fazer é nos sairmos um pouco melhores hoje do que fomos ontem.
    A internet de agora por diante terá um papel decisivo no comportamento de todos nós, mas quem escolhe a forma como ela te afetará é você. Ninguém tem o poder de escolher por você, só você tem.
    Eu seguia muitos perfis e lia (via) muita coisa, e então resolvi fazer um limpa e passei a visualizar só aquilo mesmo que quero ver, que para mim é importante.
    Eu levanto cedo para trabalhar e não quero assistir a um jornal que vai, na primeira hora do dia, trazer uma notícia sobre morte. Só o lado ruim de tudo. Eu não quero, então eu faço meu papel de filtrar os perfis que quero acompanhar.
    E se existe algo que aprendi, depois que passei a frequentar a doutrina espírita, é que tudo passa. Sendo bom ou ruim, é tudo passageiro.
    Nos vemos por aí!

    Blog Karolini Barbara |Instagram Karolini Barbara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karol, que comentário mais lindo! Obrigada por isso <3
      Realmente, é importante filtrar o que chega até a gente, abrir mão do que não faz mais sentido e lembrar que tudo passa.

      Excluir
  2. Boa noite, cara mia... tempos dificeis esse, com tanta coisa acontecendo a nossa volta. É dificil manter a lucidez, evitar desanimar. Acho que todos nós, em algum momento se surpreende com o cansaço que assola o corpo, a mente e a alma.
    Eu já me afastei das redes sociais e desacelerei de tudo... produzir conteúdo é cansativo, ainda mais para alimentar uma realidade faminta como a internet e seus milhões de canibais, mas dá para filtrar e encontrar uma zona de conforto para nós e nossas emoções.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Lunna! Às vezes a gente desanima taaanto que até se assusta.

      Excluir
  3. Por experiência própria eu sei como a internet pode ser excludente. Como voce mesmo falou, onde tem pessoas tem confusão... Mas, é um tanto hipócrita não se incluir como parte desse problema tipo: O inferno são os outros... Porém, acho que a internet é umm meio bacana de criar conteudo em tempos tão dificeis e estranhos como esse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que a internet é um meio bacana, mas tem momentos que é desgastante demais.
      Sim, onde tem pessoas, tem confusão, eu sou uma pessoa e, portanto, também sou confusão :)

      Excluir
  4. Vitória, viver requer coragem, já disseram pela aí... Eu passei poucas e boas tentando sobreviver durante todo esse tempo de Pandemia. Produzo conteúdo sem a perspectiva de ser visualizado sequer, ainda que deseje. Eu me sinto como os primeiros homens e mulheres que "produziam conteúdo" nas cavernas que viviam, apenas por desejo de expressão. Nunca imaginaram que milhares de anos depois, suas obras fossem resgatadas como registros históricos. Desabafar é um conteúdo tão como qualquer outro, principalmente se registrar um tempo em nossa vida.

    ResponderExcluir
  5. Por aqui estava sobrevivendo de escrita, leitura, matemática (hobby que eu amo), culinária, dança e Yoga. Mas peguei chicungunya no retorno ao trabalho presencial e agora, meses depois, ainda sinto dor e inchaço. Continuo produzindo meu conteúdo pra Internet e ando com muita preguiça de entrar em algumas discussões, porém excluir os bolsomonions do meu perfil deixou tudo bem mais leve.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Achei legal saber que matemática é um hobby pra você!
      Poxa, que pena que você teve chikungunya :( espero que melhore das dores e do inchaço!

      De fato, excluir bolsominions já aumenta nossa paz de espírito, hahaha!

      Excluir
  6. Esse seu desabafo, tanto o de um ano atrás quanto o complemento de agora, me levam a várias coisas que tenho pesado ultimamente e a principal delas é o fato de que, assim como a internet é feita de pessoas, NÓS somos pessoas que decidem como - ou não - viver nela. Me passou uma sensação tão boa na hora que li você falando dos programas que as pessoas consideram fúteis e as fofocas de famosos, mesmo sendo coisas que mal faço... Porque se te faz feliz, minha filha, nenhuma outra pessoa pode falar um "A" contra (já que, cá entre nós, nada disso faz mal pra ninguém). Vivemos tempos difíceis porque as pessoas são difíceis, então vamos fazer o que dá pra tornar mais fácil senão a gente surta.

    ...
    Ou melhor: senão a gente surta ainda mais! hahahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIM!!! Vamos fazer o que dá pra tornar mais fácil! Eu sou a favor da simplificação de tudo o que for possível na VIDA!!!

      Excluir