As Five | Série

Recentemente a TV Globo reprisou uma das edições de Malhação, a "Viva a Diferença", que foi exibida originalmente entre 2017 e 2018. 

O enredo dessa edição girava em torno da vida de 5 amigas, que viviam em São Paulo e tinham realidades completamente diferentes, sendo as protagonistas da novela. Escrita por Cao Hamburger, mesmo autor de Castelo Rá-Tim-Bum, a novela fez muito sucesso quando lançada e na sua reprise, por abordar assuntos muito importantes de forma natural, e fazer com que vários jovens se sentissem representados pelos personagens. Devido ao enorme sucesso, a produção ganhou um spin-off, a série As Five, que mostra a vida adulta das protagonistas, alguns anos depois do tempo da novela.


Keyla, Ellen, Lica, Tina e Benê se reencontram após seis anos sem se verem. Na fase de transição para a vida adulta, todas estão às voltas com conflitos de naturezas distintas.

Com uma temporada, a série tem 10 episódios de, aproximadamente 30 minutos cada um e é original Globoplay.

Acho importante começar apresentando cada uma das protagonistas, o que já nos mostra a grande representatividade que a série traz:


Keyla 

Na novela, vemos que Keyla sempre viveu com o pai Roney Romano, que já foi um cantor de sucesso e agora é dono de uma lanchonete, que fica embaixo de sua casa. Após uma viagem com algumas amigas, Keyla descobriu estar grávida de um homem que ela acabou se envolvendo durante a viagem, porém ela não sabia seu nome e nem tinha seu contato. A única informação que ela tinha era seu apelido Deco.

Após um parto complicado que aconteceu dentro do vagão de um metrô, Keyla se vê na posição de mãe solo, ainda muito nova, tendo que se afastar do colégio por um tempo, lidar com novas responsabilidades, tentar encontrar o pai de Tonico, seu filho, e lidar com sua insegurança sobre seu corpo. Ela conta com o apoio de suas amigas, que lhe ajudaram no parto dentro do vagão (até então eram desconhecidas), e acabaram virando madrinhas do bebê.

Na série, seis anos depois, Keyla continua sendo mãe solo, tendo que aceitar todos os trabalhos que aparecem para conseguir se sustentar e sustentar seu filho, e tentando correr atrás do seu sonho de ser atriz.



Ellen

Na novela, Ellen vira madrinha do Tonico após ajudar no parto do bebê e cria uma amizade com as meninas do vagão. Ela estuda em um colégio público, o mesmo que Keyla e Benedita, porém mora na Vila Brasilândia, bairro pobre de São Paulo, e que fica longe do colégio. Ellen sofre com racismo, a falta de dinheiro, e apesar de tudo, é super inteligente e muito esforçada.

Na série, a personagem conseguiu conquistar muitas coisas! Morando nos Estados Unidos, ela está fazendo mestrado e prestes a se casar com seu noivo estadunidense. Ela precisa conseguir finalizar sua tese, e decidir o que de fato quer fazer com sua vida amorosa.



 


Heloísa

Na novela, Heloísa (Lica), é de uma família nobre. Sua mãe foi modelo e seu pai é diretor de um colégio particular, o mesmo que ela e Tina estudam. Lica é bissexual, não vê problema em se relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, e apesar de não ter muitas dificuldades na vida, ela precisa lidar com a descoberta de que seu pai trai sua mãe com uma mulher muito próxima à família, e acaba entrando no mundo das drogas para tentar esquecer de tudo.

Na série, Lica segue sendo bancada pela mãe, mora sozinha em um apartamento enorme, já abandonou três faculdades, e como ela mesma diz: não trabalha, não estuda e não tem nenhum projeto. Ela entende que está na fase da vida adulta e precisa aprender a ser mais responsável consigo mesma e com quem está a sua volta.


Tina

Na novela, Tina é filha de uma médica e um dono de restaurante. Ela não tem uma boa relação com sua mãe, que quer que a filha siga seus passos na medicina e não aceita o namoro de Tina com Anderson (irmão da Ellen), por ele se negro e pobre. Ela e sua irmã mais nova também não se dão tão bem, porém isso é algo normal entre irmãos. Tina toca violoncelo e é apaixonada por música, porém sua mãe também não a apoia nessa área, gostando que a filha toque apenas música clássica.

Na série, ela está casa com Anderson, tem uma relação melhor com sua irmã, e é uma DJ de sucesso, que se sustenta com seu trabalho, além de ser famosa nas redes sociais. Tina começa a perceber que as redes sociais não são mil maravilhas e que "quem vê close não vê corre", além de começar a se questionar se a vida de casada é o que ela realmente quer.



Benedita

Na novela, conhecemos Benê, ela mora com a mãe e o irmão mais novo, nunca conheceu seu pai, e tem Síndrome de Asperger, um autismo leve. Ela é muito inteligente, estuda piano e é muito verdadeira. Apesar disso, algumas coisas que são "comuns" para a maioria das pessoas, para ela não é. Benê não gosta que as pessoas encostem nela, muito barulho a incomoda, ela tem pavor de se apresentar em público, e tenta descobrir como é amar alguém e porque as pessoas são tão complicadas.

Na série ela aparece independente, longe de sua mãe, tem seu trabalho, paga suas contas, resolve problemas que aparecem, e começa a ter uma vida sexual ativa, tentando entender como isso funciona para ela, além de falar abertamente sobre o assunto sem nenhum tabu.


Uma mãe solo, uma negra, uma asiática, uma bissexual e uma garota com Síndrome de Asperger, essas são nossas protagonistas que trazem muita representatividade a série.

Eu gostei do andamento da história, podemos ver uma evolução clara na vida de cada protagonista, além de rever alguns personagens da novela. Cada um lida com seus problemas pessoais, e tentam ajudar uns aos outros nessa nova fase em que se encontram. 

Acredito que a série tenha sido feita, em especial, para os fãs da novela, que já assistiram e tem um conhecimento (mesmo que mínimo) sobre a vida das personagens. Existem vários acontecimentos que acabam fazendo mais sentido pra quem já conhece a história, porém, isso não exclui o fato de que qualquer um que assistir consegue entender.

Algo que me agrada muito é que os personagens não são jovens interpretados por atores que claramente tem o dobro da idade deles, como acontece na maioria das vezes. Nem todas as atrizes/atores tem uma idade parecida com a dos personagens, porém eles não aparentam serem tão mais velhos, acho que isso deixa trama mais real.

A forma como cada episódio se desenvolve é muito legal, pois cada episódio acontece de um jeito diferente, e mesmo assim todos tem uma conexão. A proposta de contar os acontecimentos de maneira diferente em cada episódio poderia dar muito errado, fazendo com que parecesse que estivéssemos assistindo coisas diferentes (apesar do enredo unir tudo), mas nesse caso deu muito certo.

Uma série gostosa de se assistir, rápida e que nos deixa orgulhosos de cada personagem (na verdade alguns a gente quer matar, outros colocar na terapia e outros se esconder de tanta vergonha que passam). 



4 comentários

  1. Que bela iniciativa da Globo produzir esse spin-off, essa Malhação foi realmente marcante e com personagens muito interessantes, nada melhor do que expandir seus universos com novas tramas.

    ResponderExcluir
  2. Adorei rever esses episódios da malhação, como não tenho globoplay não irei conseguir ver a "continuação". Esperava que a Heloisa encontra-se um rumo, mas, pelo visto esta tão perdida quanto antes.

    ResponderExcluir
  3. Ai, que triste momento para não ter globoplay =/ Além de estar sofrendo sem pay per view do BBB, ainda fico sem poder ver essas séries novas que parecem ser tão legais. Eu não cheguei a acompanhar direitinho essa edição de malhação, mas via algumas coisas e conheço as personagens, e achei que foi uma temporada bem legal!

    ResponderExcluir
  4. Eu assisti essa série no comecinho do ano e qualidade me surpreendeu. Gostei da questão da diversidade, que você apontou, e também achei legal a abordagem do começo da vida adulta, com todos os perrengues e dificuldades. Teria sido legal acompanhar uma série assim quando eu tinha essa idade. Eu não conhecia as personagens porque não acompanhei a Malhação delas, mas pra mim não fez diferença na hora de ver a série, apesar de acreditar que tenha sido uma experiência mais completa pra quem já as conhecia e acompanhava.

    ResponderExcluir