22 de novembro de 2019
Imagem: Ilustração de Tranh Vẽ Của Aeppol

É necessário cortar as linhas que te prendem. Não sempre, às vezes uma hora, às vezes nunca.

Existem linhas que te prendem em coisas boas, que você não quer soltar nunca. Existem linhas que te prendem em coisas ruins, que você tem muita vontade de cortar, mas por algum motivo, ainda não o fez. Existem linhas que são metades floridas, brilhantes, bonitas, e metade podres, feias. São essas linhas as mais longas, que contam mais histórias e que nos colocam na situação de decisão: cortá-las ou não? Tentar cultivar as flores bonitas, para que elas se expandam, ou deixá-las apodrecer?

Precisamos procurar a resposta. Tentar encontrar o que é melhor para nós.

O melhor para mim é deixar ir. Preciso andar. Ir por aí a procurar. O melhor para mim é rir. Pra não chorar.


Quantas linhas a sua vida tem? A quantas delas você está preso? De quantas você pode escolher se soltar? Ande. Procure. Ria.

Chorar de vez em quando também faz bem.

escrito por
Vitória Bruscato

leia também

    Mulher-martelo
    O poder das músicas sobre nós
    lista dos pequenos prazeres

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 Comentários

  • Luana Souza

    Seu post me lembrou um vídeo que vi há um tempo sobre uma tatuagem de linha que a moça tinha feito. Ela fez uma linha da mão até o quadril, e disse que aquilo representava as curvas que a vida podia fazer, os caminhos que tinha traçado. Acho lindo as representações que criamos pra nós mesmo <3

No Instagram

Nos acompanhe!