Resenha: Para Educar Crianças Feministas - Um Manifesto

Esse foi o último livro que comprei em uma livraria. Eu estava na Livraria Cultura lá na Paulista, sem muito dinheiro, mas doida para comprar algum livro que me chamasse atenção. Lembro que vários livros me interessaram, mas o que me impedia de comprar era o preço. Vocês já notaram como ultimamente os livros estão absurdamente caros? Antigamente não era assim.

Encontrei um lugar onde haviam vários livros sobre feminismo e esse me chamou atenção não só pelo título, mas também pelo nome da autora: Chimamanda Ngozi Adichie. Eu já conhecia esse nome, e quem me apresentou a ele foi a Beyoncé (não que ela tenho me mandado uma mensagem dizendo "Vitória, olha aqui essa moça feminista, que legal", apesar que isso teria sido bem bacana), em uma de suas músicas chamada ***Flawless. No meio da música, podemos ouvir um dos discursos de Chimamanda, que é incrível.

"We teach girls to shrink themselves, to make themselves smaller
We say to girls: You can have ambition, but not too much
You should aim to be successful, but not too successful
Otherwise, you will threaten the man
Because I am female, I am expected to aspire to marriage
I am expected to make my life choices
Always keeping in mind that marriage is the most important
Now, marriage can be a source of joy and love and mutual support
But why do we teach girls to aspire marriage
And we don't teach boys the same?
We raise girls to see each other as competitors
Not for jobs or for accomplishments, wich I think can be a good thing
But for the attention of men
We teach girls that they cannot be sexual beings in the way that boys are
Feminist: a person who believes in the social, political and economic equality of the sexes"

"Nós ensinamos as meninas a se retraírem, para inferiorizá-las
Dizemos para as garotas: você pode ter ambição, mas não demais
Você deve visar ser bem sucedida, mas não tão "bem"
Caso contrário, ameaçará o homem
Porque eu sou fêmea, esperam que eu deseje me casar
Esperam que eu faça minhas próprias escolhas na vida
Sempre tendo em mente que o casamento é a mais importante delas
Falando sério, o casamento pode ser uma fonte de alegria, amor e apoio mútuo
Mas por que ensinamos às garotas a aspirar ao casamento
E não ensinamos a mesma coisa aos meninos?
Educamos as garotas para se tornarem concorrentes
Não por emprego ou por realizações, o que eu penso que pode ser uma coisa boa
Mas pela atenção dos homens
Nós ensinamos as garotas que não podem ser seres sexuais da mesma forma que os garotos são
Feminsta: uma pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos"

Eu amo esse discurso, e foi através dele que conheci Chimamanda, uma escritora e feminista, que tem muito a nos ensinar.


Título: Para Educar Crianças Feministas - Um Manifesto
Título original: Dear Ijeawele, or A Feminist Manifesto in Fifteen Suggestions
Autora: Chimamanda Ngozi Adichie
Páginas: 94
Editora: Companhia das Letras

Sinopse

Após o enorme sucesso de Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adichie retoma o tema da igualdade de gênero neste manifesto com quinze sugestões parar criar filhos dentro de uma perspectiva feminista.
Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, começando pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.
Partindo de sua experiência pessoal como mãe e filha, Chimamanda nos lembra como é moralmente urgente termos conversas honestas sobre novas maneiras de criar nossos filhos, e presenteia o leitor com o que chama de um mapa de suas próprias reflexões sobre o feminismo. O resultado é uma leitura essencial para todos aqueles que acreditam que a educação é o primeiro passo para a construção de uma sociedade mais justa.

Minhas impressões

O livro é pequeno e bem curtinho, então a leitura é rápida, eu o li em uma hora e meia.

A divisão é feita em sugestões. Como dito na sinopse, Chimamanda dá sugestões a pedido de sua amiga de como educar sua filha para que ela seja feminista, mas desde o começo deixa claro que são sugestões que podem ou não dar certo. Quando a carta foi escrita, Chimamanda ainda não era mãe, mas antes da publicação do livro, tinha acabado de se tornar, e ela diz que também vai tentar seguir suas próprias sugestões, apesar de saber que é uma tarefa difícil.

Nós lemos uma carta, então na explicação de cada sugestão, a autora dá exemplos com base no que ela e a amiga já viveram, o que deixa o livro muito legal, com um ar bem pessoal e também me deixou curiosa. Ela fala bastante sobre a cultura Igbo, pelo que entendi, sua amiga é da Igbolândia, que fica no sudeste da Nigéria, e por conta de ela citar muito isso no livro/carta, fiquei muito curiosa em pesquisar mais sobre esse lugar e as culturas dele - o que com certeza vou fazer.

O livro é para homens e mulheres, sobre como educar meninos e meninas. As sugestões da autora vão além de "faça isso, diga aquilo", ela também fala muito sobre como se comportar, afinal, os pais são exemplos que os filhos seguem. Ela enfatiza que a divisão de tarefas entre os pais é algo fundamental. Um pai que cuida de um filho e faz coisas básicas como trocar fraldas e dar banho, por exemplo, não está ajudando a mãe, mas sim fazendo o seu papel, por isso ele não deve receber "parabéns" ao fazer tarefas simples, pois ele está cumprindo com o seu papel.

"'Porque você é menina' nunca é razão para nada. Jamais." (pg.21)

Outra coisa muito legal é que ela fala sobre o "Feminismo Leve" e em como ele é...ruim. Eu, particularmente,  nunca tinha escutado esse termo. Ela diz que o Feminismo Leve é a "ideia de igualdade feminina condicional. [...] A base para o bem-estar de uma mulher não pode se resumir à condescendência masculina." (pg. 29). Isso não me soa nem como feminismo, já que nos exemplos vistos a mulher sempre está atrás do homem, e isso não tem nada a ver com equidade de gênero.



Eu gostaria de escrever todas as quinze sugestões aqui, pois acho que todas as pessoas no mundo deveriam lê-las, mas aí já seria spoiler demais.

"Se não empregarmos a camisa de força do gênero nas crianças pequenas, daremos a elas espaço para alcançar todo o seu potencial." (pg. 26)

De todos os ensinamentos, ela bate na tecla de que devemos enfatizar sempre como homens e mulheres tem as mesmas capacidades, devem ser tratados igualmente e como devemos buscar conhecimento (através da leitura, principalmente) para poder saber mais sobre o mundo e fazer os questionamentos que julgamos necessários.

Esse livro é para todos. Mães e pais. Não-mães e não-pais. Para educar não somente filhos e não somente meninas, mas crianças em geral. Esse é um livro incrível e que todos deveriam ler.

★★★★★

O blog é associado da Amazon, comprando livros pelos nossos links, você ajuda a manter esse cantinho de pé e não paga nada a mais por isso ;) Compre o livro aqui.
"Ensine Chizalum a não se preocupar em agradar." (pg. 47)


12 comentários

  1. Eu lembro de ter lido esse livro em menos de uma hora e me encantei. Chimamanda já era uma escritora conhecida, pois já havia lido "Sejamos Todos Feministas" - o qual indico muito que leia - e também por causa da música "Flawless" que você citou lá no começo. Sempre que ouço essa música me sinto forte, e amo a forma como a Chimamanda se pôs a desconstruir todos os pensamentos machistas e questionar as atitudes de igual cunho que tanto enfiavam em sua goela.
    Estou prestes a ler o livro "Elas por Elas", escrito por escritoras brasileiras que falam sobre escritoras brasileiras. Estou ansioso e a expectativa está alta ❤
    Parabéns pelo post, nenê ❤

    Beni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sejamos Todos Feministas já está na minha wishlist com certeza!
      Também os questionamentos que ela faz, acho todos bem pertinentes e necessários.
      Vou procurar saber mais sobre o Elas por Elas.
      Obrigada pelo carinho! <3

      Excluir
  2. Eu tenho o "primeiro" livro dessa autora, o Sejamos Todos Feministas. Acho bem simples e introdutório, maravilhoso para quem quer conhecer mais o feminismo. Preciso comprar logo esse da resenha, pois tenho certeza que vi ser igualmente maravilhoso <3 é tão importante existirem livros assim, que mostram o que realmente é esse movimento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tô doida pra ler esse também!
      Sim, esses livros são super importantes. Concordo plenamente!

      Excluir
  3. Não tinha visto ainda, mas tudo o que a Chimamanda escreve é uma aula de vida. Pela sua resenha, tenho certeza que o livro é ótimo e ajuda mesmo no desenvolvimento do pensamento de sociedade das nossas crianças.

    ResponderExcluir
  4. Gente, como eu ainda não tinha ouvido falar desse livro e dessa autora?!! Já até anotei o nome da música da "diva" para eu procurar aqui e ouvir :) Adorei a dica de livro e mesmo não sendo mãe (e não querendo ser) acho que vale a pena a leitura :) Alias, a autora podia publicar um complemento falando se as sugestões deram certo ou não :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PROCURE, VOCÊ VAI AMAR A MÚSICA!
      Putz, e essa ideia do complemento é tudo! Acho que se ela publicasse seria sensacional.

      Excluir
  5. Eu sou APAIXONADA no discurso dela que entrou em Flawless! Amo de paixão 💛 Acho a Chimamanda uma escritora incrível e tô muito ansiosa de ler esse livro. Tenho certeza que esse vai ser um dos livros que vou querer guardar comigo por muito tempo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai mesmo. E acho até que depois de ler vai querer reler. E de novo. E de novo. Hahahah!

      Excluir
  6. Tá dificil pras livrarias competirem com os preços da Amazon! Mas vezes ou outra faço um esforço para comprar nas lojas físicas também. A Chimamanda é maravilhosa, já li alguns textos mas esse ainda está na minha lista!

    ResponderExcluir