Corpos nada mais são do que carne e osso. Se formos mais específicos, podemos dizer que também são músculos, veias, órgãos, células, e por aí vai…

Como pode algo tão natural, que todo mundo tem, ter tanta importância quando se fala de aparência? Como pode algo tão natural, que todo mundo tem, ser tão julgado? Se dizem que nada aqui na terra importa porque quando morremos, tudo fica por aqui…por que a aparência dos corpos importa tanto, já que eles ficam?

Se você é homem, o rosto precisa ser “quadrado”, o nariz não pode ser muito achatado, nem muito arrebitado. A sobrancelha não deve estar feita, mas também não pode ter tantos pelos, a ponto de se juntarem. Os ombros devem ser largos, a barriga trincada, os braços musculosos, de preferência com veias um pouco aparentes. Não pode ter bunda grande, mas também não pode ser “reto”. As pernas bem malhadas, por favor, e não esqueça da panturrilha.

Se você é mulher, o rosto precisa ser “redondo”, delicado. Nariz pequeno, discreto. Sobrancelhas sempre bem feitas, e ai de você se tiver mais algum pelo no rosto que não fique nessa região. Seios grandes, porém no lugar. Barriga chapada. Não pode ser muito musculosa, se não fica parecendo homem. A bunda tem que ser grande também, e as pernas torneadas. Unhas sempre muito bem cuidadas, e os pelos você deixa lá na sobrancelha mesmo. Quadril um pouco largo, cintura fina. Estrias, celulites, “hip dips”…tudo isso é proibido!

Se você é ser humano, não pode se tatuar, porque vai que você se arrepende, ou fica velho demais, com a pele enrugada…vai ficar feio, né? Piercing também não pode (só se for brinco, que já coloca quando é neném). Não pode ter espinhas, nem dentes tortos, nem orelhas grandes demais. Cabelo colorido ou com um corte muito doido também não pode.

Quanto esforço as pessoas fazem pra admirar os corpos do jeito que eles vieram à Terra, não é?

Dizem que seu corpo é sua casa, mas você só pode deixá-la do jeito que agrada os outros, não a você. E às vezes a gente se ama muito, se olha no espelho e fala “meu corpo é demais”, mas a pira das pessoas a nossa volta é tão grande, que a gente entra nela também. Eu sou assim.

Sei que o meu corpo é bonito, mas sempre consigo encontrar um defeito. Nunca estou 100% feliz. E esse é um processo que, talvez, nunca vai acabar. Me amo bastante, mas sempre me pego olhando pra outras mulheres e pensando “se eu fosse assim…”.

Por isso, que, todos os dias, eu me obrigo (e você devia fazer isso também) a me encarar em frente ao espelho e enxergar todas as qualidades. Por fora e por dentro. Ver o quão incrível eu sou. E matar essa ideia de que eu vim com o corpo errado ao mundo.

Aquele papo clichê de “se meu corpo é minha casa, me deixe pintar as paredes” é verdade, e eu concordo. Faça tatuagens, coloque piercings, pinte e corte o cabelo, ame todas as suas dobrinhas, encontre os desenhos lindos que as estrias fazem, admire os pelos que você tem, e todos os outros detalhes. Celebre o seu corpo.

Não há problema nenhum em querer mudar seu corpo, ou “melhorar” ele, desde que isso seja o que você quer. Não o que colocaram na sua cabeça que você gostaria de ser.

Você também pode gostar:

2 comentários

  1. Olá Vitória,

    Eu já tive muito problema com meu corpo, muito mesmo! A ponto de me achar feia, gorda e por aí vai. Nossa! Agora que estou mais velha e um pouco mais sabia e que ME AMO de muitão é que busco não ficar me recriminando por não ter o mesmo corpo que as outras mulheres tem. É um processo e a gente precisa se respeitar e entender que não somos iguais, que temos nossa individualidade.

    KAROLINI BARBARA (BLOG)
    @karolinibarbara_

    1. Simmm, é um processo que provavelmente nunca acaba, né? Mas é muito bom quando a gente passa a se amar e entender que a comparação não leva a nada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *