Resenha: Brincar Faz Bem à Saúde

Resenha: Brincar Faz Bem à Saúde

Sempre fui apaixonada por crianças e todos os assuntos que envolvam o brincar e o desenvolvimento humano (não é atoa que já fiz 2 TCCs que giravam em torno disso). Quando estava estudando sobre criatividade, ouvi falar nesse livro, foi uma indicação do Murilo Gun, que me deixou muito curiosa pelo título, e logo eu quis adiquirir para poder ler. Nesse post, fiz uma resenha do livro Brincar Faz Bem à Saúde.

Título: O ministério das crianças adverte: brincar faz bem à saúde

Autor: Eduardo Sá

Páginas: 272

Editora: Casa da Palavra

Sinopse

“Lugar de criança é na escola.” Essa máxima, reproduzida como mantra, parte do pressuposto de que é a educação na escola que muda o mundo, e de que esse é um direito das crianças. Mas como deve ser a escola?

Diferentemente da imposição de grades rígidas, repletas de aulas, e da exigência constante de boas notas, Eduardo Sá nos mostra que o melhor caminho para a aprendizagem é a brincadeira. O psicanalista defende que momentos como o recreio na escola, por exemplo, podem ensinar mais do que as aulas no formato padrão, e incentiva os pais a permitirem que seus filhos brinquem e tenham tempo livre, sem preencher todo o seu tempo com atividades.

Este livro é um manifesto pelo direito irrestrito de brincar e uma preciosa reflexão sobre por que crianças devem ser curiosas, questionadoras e, principalmente, arteiras para serem saudáveis e felizes.

Minhas impressões

O livro é uma crítica ao nosso sistema de ensino, o formato como as escolas funcionam e a falsa ideia de que as crianças aprenderão sentadas em cadeiras o dia todo. Eduardo Sá defende que se aprende muito mais brincando, e que se deve unir o ato de brincar, que é algo prazeroso e que as crianças amam, com o ato de aprender, que é necessário, porém deve ser feito de forma legal.

“[…] uma escola que reprime o corpo acaba inibindo a imaginação e se divorciando do brincar, punindo o pensamento. […] Uma escola assim estraga as crianças. Uma escola que não coloque em equidade a educação musical, a educação visual e a educação física como portas de entrada para o português e para a matemática esquece esses três sentidos do conhecimento e incentiva a estupidez.” (pg. 31)

É sobre unir a educação com o brincar. Fazer com que os dois andem de mãos dadas. Permitir que as crianças brinquem o tempo todo, afinal, esse é um direito delas.


A Carta dos Direitos das Crianças para Brincar me chamou atenção. Achei muito bem pensada, e dela, podemos tirar 7 lições:

  1. “[…] Brincar só ao fim de semana não é brincar: é colocar uma agenda no lugar do coração.”
  2. Brincar deve vir antes de qualquer coisa, ou melhor: estar unido com qualquer tarefa necessária.
  3. Aprender brincando deveria ser o básico do aprender.
  4. Brincar é imaginar…
  5. …e é por isso que os melhores brinquedos não são brinquedos!
  6. Desorganizar, desmontar e desarrumar são formas de exploração, de entender como funciona, de colocar a criatividade para trabalhar.
  7. “A infância nunca morre: apenas adormece.”

“[…] Decorar não é aprender, mas repetir. A política de educação tem confundido, muitas vezes, pensar com adestrar, transformando a escola no purgatório por onde se tem de passar antes que se entre no limbo dos adultos.” (pg. 47)

É fato que o sistema de ensino tem muitas falhas e a maioria das escolas só ordena que os alunos decorem, sem se importar em saber se eles realmente estão aprendendo. Mas, no capítulo 2 do livro, entitulado “Se o jardim de infância fosse uma escola, não se brincaria lá todos os dias“, eu vi muita culpa disso em cima dos professores e não concordo. Claro que, muitos professores ficam satisfeitos com a decoreba, mas assim como uma criança aprende, vamos desmontar esse brinquedo:

  1. Por que o professor fica satisfeito com a decoreba de um aluno? É uma convicção dele de que assim está bom? Ele aprendeu a “ensinar” assim? Ele foi ensinado assim?
  2. Muitos professores querem ir além disso, mas simplesmente não podem pelos modelos da escola. Muitas vezes isso vai além da vontade do professor e acaba ficando fora do seu alcance. É um sistema, algo maior.
  3. Se o professor faz parte de um sistema tão ruim e não concorda, ele deve fazer algo pra tentar mudar isso (desde que não o prejudique). Será que ele faz?

Eu realmente fiquei um tempão pensando sobre essas questões, que inclusive anotei depois de ler esse capítulo. Acho que são pontos a serem discutidos, e que talvez nem tenham uma resposta conclusiva, pois devem variar de caso a caso.


Outra parte específica que me chamou atenção, foi a dos equívocos da educação.

Os equívocos da educação

“O primeiro equívoco da educação é acreditar que todos aprendem da mesma forma, reprimindo aqueles que tentam compreender de outra maneira […].
O segundo equívoco da educação reside na forma como nos premia quando repetimos o que decoramos e nos castiga se copiarmos. […]
O terceiro equívoco da educação está na ideia de que os mais velhos devem educar os mais novos. […] Educação é reciprocidade. […]
O quarto passa pelo pressuposto de que educar é dar bons conselhos e apontar soluções convencionais, quando, a rigor, a educação é tudo o que só os bons exemplos são capazes de nos dar. […]
O quinto, finalmente, passa pela ideia de que a educação serve para ganhar a vida. Não é verdade. Com educação ganha-se vida, é diferente. […]” (pg. 163/164)

Educação é troca, e todos podem aprender uns com os outros. A melhor forma de ensinar para que se aprenda, é dando bons exemplos, logo o “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” não deveria existir. Aprender é muito mais do que repetir, e o castigo não deveria ser regra. Aliás, existem várias formas de aprender e de ensinar, que devem ser exploradas em diferentes áreas, até que se eduque e se ganhe vida.

O livro é bom. Traz muitos questionamentos acerca do ensino que temos hoje, e como ele poderia ser. Concordei com várias coisas e discordei de algumas, mas o mais importante é que pude pensar em novas possiblidades.

Os pontos que me incomodaram foram a escrita cansativa, que fez a leitura ser bem demorada. Por vezes eu parava no meio de algum capítulo porque não aguentava mais o autor batendo na mesma tecla tantas vezes, acredito que muita coisa poderia ter sido exposta de forma mais sucinta. E os capítulos do livro são enormes, tanto que tem subdivisões. Eu, particularmente, não gosto de livros com capítulos muito grandes. Apesar das críticas, o autor não faz sugestões “alcançáveis” para mudar a situação atual, e sinto que isso faltou no livro. Todas as sugestões e formas de ensino apresentadas são quase que uma utopia se olharmos para como as coisas são hoje. Já que o livro traz tantas críticas interessantes e que fazem sentido, devia buscar soluções que fossem assim também.

Compre o livro.

★★★☆☆

O blog é parceiro da Amazon, comprando pelos nossos links você ajuda a manter esse cantinho em pé sem pagar nada a mais por isso 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.